A reestruturação de dívidas existe para que as empresas possam se reerguer diante das situação financeira de risco e para que credores possam receber o seu crédito.

Quer entender as etapas e vantagens deste processo? Nos acompanhe neste conteúdo!

Endividamento das empresas é uma fase normal

Um número enorme de empresas passam pelo período do endividamento.

Os motivos são diversos, seja pela crise do mercado, planejamentos administrativos e financeiros mal projetados, mal executados, investimentos errados ou até mesmo por mudanças estruturais que ocorrem em determinado setor.

Situações como essa são normais e todas as empresas estão sujeitas a isso, fatores externos e internos que colaboram para a crise da empresa.

A forma como a empresa lida com isso que faz a diferença.

Se reestruturar no momento de crise, parar para planejar e fazer o gerenciamento daquela crise é um passo importante para que a empresa consiga resolver seus problemas.

Reestruturação das dívidas corporativas – o que é?

A reestruturação de dívidas corporativas é um processo para que a empresa possa se reerguer no momento de crise.

As etapas deste processo vão permitir que a empresa se reorganize internamente e junto aos seus credores para que a crise, aos poucos, possa ser sanada.

Este processo visa trazer um fôlego para o caixa da empresa para que ela possa manter de forma saudável as suas operações.

Como é feito o processo de reestruturação das dívidas?

A reestruturação de dívidas é um processo que visa reduzir o montante total da dívida da empresa, diminuir ou suspender a taxa de juros que a empresa suporta e postergar o prazo para pagamento de dívidas.

Mas para que isso seja possível, é necessário que a empresa siga uma linha de ações bem estruturada, vamos conferir agora quais são as etapas desta reestruturação.

Lembrando que cada caso deve ser analisado individualmente de forma que estes passos podem ser acrescidos de outros caso a caso.

Inventário da dívida

Fazer o inventário da dívida trará a oportunidade para que a empresa visualize todos os seus débitos, entenda a sua ordem de preferência e trace estratégias para conseguir organizar uma agenda de pagamento e negociação das dívidas.

Através do inventário serão coletadas informações sobre dados dos credores, vencimento dos débitos que estão em aberto, o valor destes débitos, quais são os juros contratuais e as características de cada dívida.

Ao fazer esta apuração será possível determinar a prioridade, situação financeira da empresa e forma que essas dívidas podem ser negociadas.

Princípio da prioridade

Este é o momento de definir quais dívidas devem ser pagas primeiro. A estratégia aqui é fundamental.

É necessário identificar quais dívidas ainda estão vigentes, quais estão prescritas, quais geram mais juros, quais podem se tornar um processo judicial, enfim, é necessário colocar todas as dívidas em ordem de prioridade para montar um cronograma de pagamento.

Ao montar este cronograma o devedor poderá partir para a próxima etapa que é negociar junto aos credores.

Renegociação da dívida

Agora chegou o momento de colocar as estratégias de recuperação em prática.

Esta é a hora que o devedor irá buscar o credor para renegociar aquela dívida buscando reduzir o valor do montante da dívida, diminuir ou suspender temporariamente a taxa de juros da dívida e até mesmo postergar o prazo de pagamento dos débitos.

Essa etapa é fundamental para que a empresa consiga obter o fôlego necessário para continuar operando e garantir o lucro necessário para quitar as suas dívidas.

Transparência é fundamental

Este último passo é importante para que o processo de reestruturação não desmorone, ou seja, para que ele seja executado de forma justa com o credor.

Deixar toda a negociação às claras é fundamental e outro ponto importante é sobre o compromisso com as dívidas. Se a empresa não conseguir arcar com determinado compromisso ela deve entrar em contato com o credor, expor a situação ao invés de fugir e se esquivar da dívida.

A reestruturação é um processo importante para as empresas em dívidas e se bem executado a empresa sairá desta crise ainda mais forte.